Pedro Pereira: Não será o primeiro a quem a camisola do Benfica pesa mais do que as outras

Quando um jogador como Pedro Pereira, que apesar dos seus curtos 19 anos ingressou no Benfica depois de já cá ter estado e de conhecer os cantos à casa e, principalmente, depois de já ter feito 21 jogos com a camisola da Sampdoria, demonstra em campo o nervosismo e a falta de confiança que este jovem tem demonstrado nesta pré-época, percebemos todos que a camisola do Benfica não é para todos e que pesa mais do que as outras realmente.

Não é caso virgem. No Benfica há inúmeros casos de jogadores, até com algum talento, mas que, fruto da pressão a que um jogador do Benfica está sujeito, nunca vingaram com a camisola da águia.

Abel Xavier será, se calhar, um dos mais flagrantes. A sério que não me lembro de um jogador tão mal amado na Luz como ele, alguém que assim que tocava na bola era logo brindado com um coro de assobios.

O que é certo é que este Abel Xavier, depois de ter saído da Luz pela porta pequena, fez ainda carreira em clubes como Roma, Liverpool, Everton ou PSV, pelo que, eventualmente, não era tão mau assim.

E depois, confesso também que tenho especial admiração por jogadores com nervos à prova de bala, daqueles que podem ter um estádio inteiro a insultá-lo, e que não estão nem aí…

Se calhar por isso, ainda hoje, o jogador que mais apreciei ver com a camisola do Benfica foi Isaías, alguém que podia ter o terceiro anel inteiro a rir-se depois de o ver chutar a bola 4 vezes para fora do estádio, mas que à quinta tentativa rematava na mesma nem que fosse do meio campo, e volta e meia resolvia jogos importantes com golos de levantar o estádio.

Era Isaías o melhor jogador do Benfica? Provavelmente não! Mas em dia sim, de Isaías podia sempre vir qualquer coisa de especial. Por alguma razão Bobby Robson dizia que sempre que jogava contra o Benfica, o Isaías era quem o assustava, se calhar por ser o mais imprevisível, o mais anárquico dentro do sistema de jogo.

Estes são também os jogadores que nos jogos a doer não sofrem cá de complexos de inferioridade, cerram normalmente os dentes, olham os adversários nos olhos e transcendem-se, estando sempre na linha da frente e contagiando os colegas no ataque à muralha adversária.

Mas voltando ao Pedro Pereira, este nem assobiado foi ainda… Por enquanto são apenas jogos a brincar contra adversários de terceira e que nem sequer são jogados no Estádio da Luz, e esperava-se mais confiança…

A qualidade, ok, às vezes joga-se bem e em outras mal mas, a confiança é fulcral em quem quer jogar no Benfica, e tem de estar lá mesmo quando se joga mal.

Hermes no flanco oposto é um caso desses… Já fez coisas boas e coisas más, mas de certeza que Rui Vitória já sabe quem Hermes é… Porque o Hermes pede a bola e quer a bola e tenta estar sempre em jogo… Quando não faz melhor não é porque a cabeça não deixa, é porque não sabe.

Ao contrário do Pedro Pereira que, não quer a bola, que passa imediatamente a bola, e que sempre que a tem no pé hesita no que fazer… E alguém a quem se calhar Rui Vitória ainda não conhece realmente, sabendo apenas que tem de ser forçosamente melhor do que aquilo que todos temos visto.

Mas repito, o moço tem 19 anos, e estes são os jogadores que embora seja óbvio que não estão ainda preparados para jogar com a camisola do Benfica, convém mantê-los no radar, dar-lhes jogos em clubes menores, porque um dia as coisas começam a sair melhor, a confiança instala-se, e podem tornar-se num caso sério.

Site Footer